Canção mais ou menos apalermada

Olá boa tarde, queiram fazer o favor de se sentarem, acho que há cadeiras para todos. Quem chegou tarde, pode sempre puxar essas almofadas baratas que estão em cima do sofá e sentar-se no chão. Está tudo? Ora bem, aqui vai,
O meu nome é António A. Antunes e existo há alguns anos, ao contrário do que se diz por aí. Dizem-se muitas coisas e às vezes coisas que são mentira, perfeitas calúnias, disparates monstruosos e depois quem se lixa sou eu, porque neste caso, é de mim que se fala. Pois. Queria ver se fosse convosco. Quer dizer, eu nem vos conheço. Ou conheço-vos mal, tirando dois ou três casos. Desculpem, mas borrifo-me de forma considerável para o que vos acontece, desde que não seja uma coisa grave, como é, por exemplo, a negação da vossa existência (quer ela seja inútil ou não). Isso é um assunto grave e sério, como devem imaginar. Caso não consigam imaginar, por favor esforcem-se um bocadinho. É provável que também vocês descubram que há uma forte possibilidade de estarem a ser confundidos com fantoches ou espantalhos mal vestidos. Enfim. Como prova de que tenho um nariz, apito no trânsito e et cetera e tal, vou. Não, não chorem, não pensem que vou abandonar o barco. Para além de ter uma simpatia geral pelo que aqui acontece, tenho orgulho suficiente e estou longe de estar deprimido. Há também coisas que gosto bastante e das quais não abdico de forma alguma. Falo do meu cão e dos comentários absurdos da dona Olga (penso que nunca vos falei dela). Não vou deixar aqui o número de contribuinte, mas uma canção que fiz quando tinha por volta dos dez anos. É assim:

Na minha casa há uma cozinha
No canto é onde dorme o Jeco
Gosto de comer pão com tulicreme
e andar de bicicleta
Gosto de brincar com fisgas

O pato Donald é maricas
O pato Donald é maricas
(estas duas frases acrescentei-as mais tarde, num momento de idiotice)


O ritmo é de uma música, que não sei o nome, dos queijinhos frescos e da Ana Faria. Se isto vos soou, de alguma forma, estranho, aviso-vos que têm, obviamente, toda a razão. Portanto, é isto. Já está. Podem ir embora.

14 comentários:

Anónimo disse...

AH! Muito bom. Quero mais.

Pedro m.

Ipslon disse...

ahahahaha
o pato donald e maricas!
ahaha
mas axo ke ja sabia!

Anónimo disse...

Antunes, tás no teu melhor.

LM disse...

Não, não soou estranho!
E agora vou embora.
Até amanhã.

Anónimo disse...

Mas alguém dúvida da existência de uma personagem com tanta espessura e consistência? Queremos mais. Muito mais...

Anónimo disse...

Pessoal que ouvia Queijinhos Frescos só pode ser do melhor! E que o Pato Donald era maricas já toda a gente sabia, que isso de andar com a Margarida e nao atar nem desatar nao é coisa de pato macho.
estou a brincar, obviamente, mas só queria dizer que fiquei curiosa em relacao à D. Olga.

Andreia Ramos disse...

concordo plenamente com a polliejean!
beijinho!

cristiana disse...

slap slap slap... já se ouvem as palmas da assistência! a tua sorte é dizeres que eras puto pequeno quando escreveste isto!

Bravo disse...

Já reparaste que o pato Donald não usa calças? Estranho...

PSYCHO KILLER disse...

visitem o meu blog.....isto é, se tiverem coragem:p

www.maodevaca.blogspot.com

Anónimo disse...

Boa tarde.

O pato Donald não é maricas!

Estou chocado :º

De resto parece um bom blog.

Freddy disse...

Que é que andas a fumar???

Última Hora: Violentissima operação na blogosfera portuguesa... Zona Franca lança OPA sobre Abrupto

Cpt Scarlet disse...

Mto bom!!!
Aprovo, aprecio estes desvarios!!!

Anónimo disse...

This is very interesting site... » »