Um testo e um pesadelo no mesmo dia

O que eu queria mesmo. O que eu queria mesmo era deixar a bomba de gasolina e ir, sei lá, fazer espantalhos. O gajo do snack-bar disse-me que a filha encontrou na net tipos que andam à procura de jovens robustos para colher morangos, mas isso é chato. Não gosto de morangos.
A Adelina do segundo andar continua a bater à minha porta todos os dias. Não percebo. Tem o cú em ferida, uma espécie de hemorróide gigante e pede-me conselhos a nível da higiene íntima. Por favor. Devo ter cara de médico ou isso. Às vezes também olho para as pessoas e mando o meu bitaite. É fabuloso. Outro dia entra-me um gajo na bomba, eram quê? Já passava das onze. Entra-me na bomba e vinha todo pipi. Fatinho da moda, o cabelinho à maneira, cheio de style, o azeiteiro do caralho. Quase que passava por artista da bola. Quase. Mas faltava-lhe qualquer coisa em ouro, talvez. Ele chega-se ao balcão e diz: Bomba 10 por favor. O tipo tinha a mania. Lá atira um pacote de chicletes e sai-se com esta merda: As gorila é que eram boas. Aquilo deixou-me pensativo. Disse: As gorila. Porque de repente o gajo tinha mexido naquela cena da memória e tal. Pá, e sem mais nem menos, o tipo espeta-me um testo, mas um testo. Até deitei um bocado de sangue do nariz e tudo. Foi aí que eu disse: Hoje as coisas corram mal lá na empresa. Por causa daquilo de adivinhar. Empresa! No máximo era um técnico de vendas medíocre da Oriflame. No máximo, sim!! Porque no mínimo era técnico de vendas medíocre da Herbalife! Porra. Sinceramente, estes gajos não se enxergam. À noite para aliviar fui jantar com a Rosinha, uma jovem a quem não atendia as chamadas desde o liceu. O suicídio teria sido melhor opção. Rosinha “o pote de geleia” continuava anormalmente cheia. Esta gente é feliz mesmo com braços do tamanho de troncos de palmeira. Não consigo perceber.Tive um sonho esquisito em que era padeiro chefe. A massa de pão chegava num tapete rolante e eu estava com uma pá a achatar aquilo. A peida da Rosinha aparecia ainda maior, tipo tamanho XLLL entre duas regueifas e eu começava a bater violentamente naquilo, a peida da Rosinha, coitada. Eu, que nunca tive tendências agressivas. Tinha sempre B+ em comportamento. Se calhar a explicação está no meu tio emigra que tem uma padaria na França. Não sei.

5 comentários:

Filipe disse...

És mesmo tóno. Então vocês lá na bomba não têm um bastão para atacar esses indivíduos? Fala comigo que eu conheço um gajo que os importa e são mesmo altamente. Dass primo páh, e nessas alturas liga-me.

ChrisWoznitza disse...

Hi I´m Chris. Greatings from Germany Bottrop !!

Paula disse...

Olá Tó. Era só para saber se está tudo bem contigo e experimentar deixar uma mensagem num blog. Não tenho tido tempo para passar na bomba, nem para pôr gasolina no carro! Também agora costumo ir para o emprego de metro, por isso, um depósito dura-me muito tempo. A Cris disse-me que estás chateado comigo. Porquê? Fiquei preocupada com o teu sonho e com alguns ciúmes da Rosinha. Nós tínhamos prometido contar tudo um ao outro. Fico à espera do teu telefonema. Em relação ao que dizes sobre mim, esclareço-te que não foi um, mas dois pacotes de donuts.

Paula

Anónimo disse...

O tipo que te deu o testo tinha razão, as gorilas são as melhores.

Guilherme de Araujo disse...

Bem-vindo António. O seu blog é muito divertido. Obrigado pelo belo momento de riso que me proporcionou. Voltarei em breve!